Orientações Gerais: 
A artrose gosta do calor e detesta o frio, portanto, as articulações devem estar sempre bem aquecidas. Manter a casa aquecida no inverno, não utilizar água fria nas mãos, utilizar bolsas quentes e lençóis térmicos ajudam a aliviar as dores. 
Evitar agachamentos(ficar de cócoras), pois esta posição é semelhante a pressionar uma esponja com toda a força e retirar todo o conteúdo de liquido dela, acontecendo o mesmo com a cartilagem nos joelhos e quadris. 
Evitar escadas e lombadas nas caminhadas. 
Caminhar no plano o tempo que desejar, desde que não sinta dores durante a caminhada. Se iniciar a doer, interromper e reiniciar mais tarde. Esta orientação de interromper o exercício no surgimento de dor serve para qualquer tipo de exercício ou esporte que a pessoa que tem artrose queira praticar: ginástica, hidroginástica, tênis, vôlei, etc. A cartilagem gosta de movimento, e, portanto, não vai aumentar o desgaste se a pessoa caminhar ou realizar exercícios com moderação, o que vai acontecer é que a carlilagem estará melhor lubrificada e receberá melhor a nutrição que vem do líquido articular(sinovial). 

Fisioterapia: 
Exercícios de alongamento são extremamente benéficos para as articulações, principalmente quando estão iniciando ou já estão com artrose, porque existe uma tendência a limitar a amplitude de movimentos em função do surgimento dos osteófitos(bicos de papagaio), que são formações ósseas na ponta dos ossos.  
A utilização de calor profundo, com ultra-som e similares aliviam as dores. 

Antinflamatórios: 
O desgaste nas articulações aumenta o atrito destas, e isto leva a um processo inflamatório que freqüentemente é a causa da dor mais acentuada. O uso de um antinflamatório, portanto, alivia a dor e faz diminuir o inchaço, porém não tem por objetivo acabar com o desgaste, e, ao descontinuar o seu uso, o processo inflamatório retorna. O risco maior está na utilização a médio e longo prazo, pois podem causar efeitos colaterais perigosos, como gastrite, ulceras, sangramentos. Atualmente, existem antinflamatórios produzidos para terem uma ação mais seletiva, sem atacar a mucosa gástrica, mas como toda a medicação, devem ser utilizados com cautela, pois existem casos descritos de complicações, e, estão tratando do efeito, não da causa. 

Condroprotetores: 
São as substâncias que a cartilagem de quem tem artrose perde de sua matriz, tornando-a friável e sujeita ao desgaste: glucosamina, condroitina e diacereína. A reposição destas substancias tem o objetivo de fazer com que a cartilagem volte a ficar saudável, passando a articulação a funcionar melhor e aliviando e muitas vezes acabando com as dores. Atenção: Não regenera a cartilagem. Age sobre a cartilagem ainda presente nas articulações, e, interrompe ou, retarda o processo de desgaste. O efeito depende muito do estágio da artrose. Nos estágios iniciais o resultado é excelente e ao que parece, interrompe realmente o processo; nos estágios médios costuma aliviar bastante as dores, porém, não interrompe totalmente a evolução, e, nos estágios avançados da artrose, dependendo de qual articulação está comprometida, pode dar um bom alívio das dores, como nas articulações dos membros superiores. Nas articulações dos membros inferiores, que sofrem com o peso do corpo, nos estágios avançados, em que temos o contato osso-osso, já não tem mais efeito algum. 

Infiltrações: 
São injeções intra articulares de cortisona, e, em nossa clínica, não as realizamos em articulações com artose, pois, apesar de aliviar as dores temporariamente, aumenta a destruição articular e tem sérios possíveis efeitos colaterais. 

Injeções intra-articulares: 
Existem algumas medicações, a base de hialuronato de sódio, que é um tipo de óleo, que, ao ser injetado na articulação com artose, aumenta a lubrificação, aliviando as dores. Costuma ter um bom resultado nas artrose médias, e, raramente, nas avançadas. Consiste de três a cinco injeções com intervalos semanais no interior da articulação. O efeito destas injeções costuma durar de 6 meses a um ano. 

PST Pulsed Signed Therapy: 
É um tratamento a base de ondas eletromagnéticas com um campo unidirecional pulsante, de intensidade muito baixa, com ondas retangulares que variam no tempo de forma complexa. O tratamento consiste em 9 a 12 sessões, dependendo de qual articulação será tratada, diárias, só podendo ser interrompido por uma vez por no máximo 72 horas. Cada sessão tem a durabilidade exata de 1 hora. PST não regenera cartilagem. Não existe nenhuma documentação científica comprovando isto. Existem artigos científicos demonstrando alguma regeneração de cartilagem em laboratório. Existem  artigos científicos demonstrando bons resultados clínicos na utilização do tratamento PST em algumas patologias articulares: artrose em geral, bursites e tendinites. Com relação a artrose, o resultado costuma ser muito satisfatório em ombros e coluna, e em quadris e joelhos quando a artrose é inicial. Não temos observado bons resultados em pacientes com artrose de quadril ou joelho com artroses médias ou avançadas. O tratamento PST é uma excelente alternativa não cirúrgica para o tratamento de casos selecionados de artrose. O paciente deve estar ciente de que o objetivo deste tratamento é aliviar os sintomas e não curar o paciente, sendo o principal objetivo aliviar a dor. O alívio alcançado com o PST costuma durar aproximadamente 3 anos.